Evergrey: mostrou o melhor do metal em Porto Alegre

Posted: 29 de Julho de 2011 in Reviews
Banda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda Evergrey
Banda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda Evergrey
Banda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda EvergreyBanda Evergrey
Banda EvergreyBanda EvergreyBanda Evergrey

Evergrey – 07/2011, um álbum no Flickr.

EVERGREY

Teatro CIEE, Porto Alegre/RS (28/07/2011)

Na quinta feira, dia 28 de julho, no teatro do CIEE, Porto Alegre recebeu uma das maiores presenças do cenário internacional no que diz respeito a metal progressivo. Estamos falando da banda sueca Evergrey. Infelizmente os gaúchos não deram a devida atenção ao momento, notando-se em um público muito abaixo do esperado e muito aquém dos anfitriões.

Por volta das 22:00, Tom S. Englund (vocal e guitarra), Marcus Jidell (guitarra), Johan Niemann (baixo), Rikard Zander (teclado) e Hannes Van Dahl (bateria) subiram ao palco para delírio dos poucos mas extremamente fiéis fãs, abrindo os trabalhos com Leave It Behind Us. É importante citar a excelente qualidade da estrutura do teatro do CIEE, ainda pouco explorado pelo cenário rock porto-alegrense. A galera, embora tenha aberto mão das poltronas para se amontoar diante do palco, demonstrou um ar mais “contemplativo” que agitado.

Com um set que abordou pontos da discografia completa da banda, os rapazes aparentavam muita tranqüilidade e firmeza, evidente nas performances impecáveis (um desconto pra voz aparentemente cansada de Tom, afinal os caras haviam acabado de chegar de uma exaustiva viagem e foram praticamente arremessados no palco). Dando seqüência, entre o brado da platéia veio Monday Morning Apocalypse e As I Lie Here Bledding, esta última provavelmente a mais empolgante da noite.

Com a platéia cantando o refrão praticamente sozinha, The Masterplan deu continuidade ao show. Já Rulers Of The Mind não empolgou tanto como Mark Of The Triangle, uma daquelas “baladinhas” pra agradar a mulherada. Chamando as palmas para acompanhar veio Wrong, mas a essa altura o show já tinha perdido um pouco do pique. Sem problemas. Isso logo foi compensado a partir de Blinded do álbum Recreation Day (ponto alto do espetáculo). Com as músicas Solitude Within e Nosferatu a banda agregou o peso que estava se perdendo, arrancando uma boa interação da galera presente.

Logo antes de encerrar, pedindo para direcionar as luzes para a platéia, Englund resolveu descansar e fez os gaúchos cantarem uma fabulosa versão de I’m Sorry (e cantaram mesmo). Fechando com Frozen do último álbum, Glorious Collision. Mas, evidente que ainda rolou um bis com as músicas When The Walls Go Down e A Touch Of Blessing, completando um total de uma hora e quarenta minutos de metal.

Quem gosta de boa música, metal, rock e virtuosismo, não teve do que se queixar. A banda foi carismática, tecnicamente irrepreensível e proporcionou um show de altíssimo nível. As instalações do teatro do CIEE estiveram à altura e o cronograma foi seguido sem surpresas desagradáveis. Mais uma vez, a única coisa lamentável foi a baixa vendagem de ingressos. Tomara que numa próxima visita do Evergrey os gaúchos dêem mais atenção.

Set list

Leave It Behind Us
Monday Morning Apocalypse
As I Lie Here Bleeding
The Masterplan
Rulers Of The Mind
Mark Of The Triangle
Wrong
Blinded
Solitude Within
Nosferatu
I’m Sorry
Frozen
When The Walls Go Down
Recreation Day
Broken Wings
A Touch Of Blessing

por Fernando Tedesco

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s