Nile: sem estrelismo, com um grande show

Posted: 23 de Dezembro de 2013 in Reviews

_RSK0877_RSK0807

Nile – 12/2013, um álbum no Flickr.

NILE

Opinião, Porto Alegre/RS (22/12/2013)

Apesar da proximidade com o Natal, estava prestes a ter início uma noite bem diferente do clima hohoho ditado pela época do ano, como já denunciavam as camisetas pretas espalhadas nas redondezas do Opinião. Em um domingo escaldante na capital dos gaúchos sobrou tempo para que o pessoal espantasse o calor bebendo pelos bares espalhados ao redor da casa noturna antes dos shows, já que as portas foram abertas com cerca de uma hora de atraso.

Os primeiros metaleiros que entraram ainda puderam acompanhar, dentro do espaço, o final da passagem de som da Bloody Violence, banda de abertura, que voltou ao palco repentinamente pouco depois das 21h para o início da apresentação de 30 minutos que promovia o EP “Obliterate” e, de fato, o próprio grupo, muito novo na cena local, fundado ainda em 2013, mas que tocou com extremo profissionalismo, mostrando uma excelente execução do seu Technical Death Metal, muito bem recebido pelo público.  Uma pena que na abertura sempre há menos pessoas na casa, mas com certeza a banda arrecadou muitos fãs entre os presentes.

Já com mais gente na casa, vinte minutos após a saída do peso da Bloody Violence sobe ao palco a Exterminate, trazendo seu Brutal Death Metal e um novo baterista bastante brutal (o instrumento saiu do lugar no meio do show e precisou ser firmado no lugar) que teve uma bela recepção!  O grupo, aliás, trouxe os presentes para perto do palco e terminou seus 30 minutos de apresentação com um excelente cover de “Arise”, do Sepultura, deixando para trás um público entusiasmado.

Sem muita demora segue a noite com a Frost Despair, que, apesar de ser a banda mais fora do padrão da noite, apresentando um Black Metal Sinfônico, foi bastante aplaudida. Ponto pro pessoal do grupo do vocalista Odommok, que apresentou músicas do “The God Delusion” e do “Surreal” (respectivamente 2011 e 2013) e provou que pra segurar o público é preciso tocar bem, não necessariamente seguir o padrão da banda principal do show.

A grande atração da noite, Nile, banda norte americana de Technical Death Metal formada em 1993 por Karl Sanders, não assume ares de grande estrela -embora seja considerado um grande nome do cenário metal mundial- quando sobe ao palco para montar o próprio equipamento. É a deixa para o público chegar o mais próximo possível, guardando lugar para o show e aproveitando o momento para ver os ídolos mais de perto.

A espera é maior do que o previsto por causa de um problema com os retornos, mas um pouco antes das onze e meia a introdução de “Dusk Falls Upon the Temple of the Serpent on the Mount of Sunrise” sinaliza o tão esperado momento: enfim, o prato principal – e o Nile volta ao palco para dar início ao show porto alegrense da “At the Gate of Sethu 2013 Brazilian Tour”. O público, nem grande nem pequeno, casa cheia, mas com espaço suficiente para se ficar confortável em um Opinião só com andar inferior aberto, proporciona um show à parte – ou seria um show conjunto? – com o início dos acordes da primeira música do setlist e a entrada da banda no palco, pois nesse momento a casa parece estar completamente lotada.

A banda toca com técnica perfeita para um público completamente entusiasmado. A qualidade do som permite que o peso de todos os instrumentos e os guturais de Karl sejam ouvidos com entrosamento e impacto. O anúncio da execução da música “Kafir!” é recebido com um gigantesco coro de aprovação pelo público, que berra sem parar o nome da banda. Tudo veio abaixo – menos os braços do presentes, erguidos pro alto – no encerramento com  “Black Seeds of Vengeance”, após 1h40min de show,  garantindo que ninguém voltasse pra casa sem se sentir fortemente dolorido, querendo bem mais tempo de show mas altamente recompensado. É, no final da noite pode-se dizer que o clima natalino apareceu. Foi um belo presente de final de ano pra todos que compareceram ao show. Hohoho, feliz Natal, metaleiros.

Setlist:

1. Dusk Falls Upon the Temple of the Serpent on the Mount of Sunrise
2. Sacrifice Unto Sebek
3. Defiling the Gates of Ishtar
4. Kafir!
5. Hittite Dung Incantation
6. The Inevitable Degradation of Flesh
7. Enduring the Eternal Molestation of Flame
8. Supreme Humanism of Megalomania
9. The Blessed Dead
10. The Howling of the Jinn
11. Ithyphallic
12. Sarcophagus
13. Lashed to the Slave Stick
14. Unas Slayer of the Gods
15. Black Seeds of Vengeance

por Caesar Cezar de Cesar

Assessoria e revisão por Muriel Scliar

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s